Entrevista com Leandro Reis – Autor de O Senhor das Sombras

Posted by:

Os seus livros são trechos de uma grande saga épica. A exemplo de outras sagas, existe uma mensagem ou ideia principal que toda a sua literatura de Grinmelken queira passar?

Sim, existe, mas prefiro discuti-la somente depois de fechar a saga, o que acontecerá no livro Enelock. Além da idéia geral, existem várias mensagens espalhadas pelo texto, a maioria embutida em dilemas e atitudes dos protagonistas. Assim como nos meus contos, eu me preocupo em exaltar conceitos de virtudes mais escassas na sociedade de hoje, como honra, lealdade, coragem e bondade.

Você tem muito cuidado com o mundo que criou, Grinmelken é um lugar que vai bem além dos seus primeiros três livros (Filhos de Galagah, O Senhor das Sombras e Enelock). Criar um universo tão vasto normalmente esgota um escritor. Há espaços ou ambições suas de escritas fora de Grinmelken? Ou mesmo dentro de outro estilo, já pensou sobre isso?

Já pensei em histórias fora de Grinmelken, ambientadas na época atual, mas todas com cunho fantástico. Porém, não tenho em mente dedicar-me a elas tão cedo. Meu mundo tem muito a ser explorado. São várias as possibilidades de histórias, como os leitores dos meus contos podem perceber. Tenho planos de escrever, mais para frente, livros com histórias do Vale dos Horrores, que seguem uma linha bem diferente dos meus romances atuais, tendendo mais para um suspense/terror. Quem leu os contos “A Dama Noturna” e “Esperança Corrompida”, tem uma boa noção desta diferença.

Algumas pessoas afirmam que não podemos fugir daquilo que somos em tudo que fazemos. Partindo deste pressuposto, os seus quatro protagonistas (Galatea, Iallanara, Gawyn e Sephiros) têm traços do Leandro Reis como pessoa ou são simplesmente criações?

Sou bem parecido com o Gawyn e trago alguns traços da Galatea, como a ingenuidade dela para com as pessoas. Do Sephiros, me identifico com a sua parte mais reservada, desta timidez que se manifesta somente com desconhecidos. Já da Iallanara, acho que tenho um pouquinho do vigor com que ela debate e quer vencer.

Dentro do seu universo você utiliza seres clássicos da mitologia fantástica como elfos, vampiros, cavaleiros e bruxos. Mesmo que o enredo da história seja completamente diferente, sempre há comparações com clássicos do gênero como o Senhor dos Anéis. Existe este medo na hora da escrita, se existe ele atrapalha de alguma forma a criação?

De modo algum. Não me preocupo em ser comparado com outros escritores quando escrevo. Deixei de me preocupar com muita coisa mais ou menos na mesma época em que pensei “vou usar uns clichês sim porque acho legal”. Existem inúmeras teorias sobre originalidade e várias delas chegam ao mesmo lugar: É muito difícil inovar completamente.

Hoje eu pesquiso bem mais do que quando comecei. Procuro a origem dos seres mitológicos e, se for do meu interesse, uso uma vertente diferente da lenda, algo menos conhecido.

Minha atual preocupação é a de manter ritmo e uma trama cativante, tentando melhorar cada vez mais a qualidade da minha narrativa e escrita.

Os Filhos de Galagah quebra muitas barreiras como a figura feminina de algumas histórias de fantasia. A personagem Galatea, por exemplo, é uma guerreira dedicada e corajosa que inclusive passa um desafio que o seu irmão, um homem, não conseguiu. O livro também quebra a barreira do sentimento, onde a mulher sempre tem que estar querendo se casar. Galatea ou mesmo Iallanara nem fazem menção a amor ou relacionamento. Não sei se a sua intenção era esta, mas pergunto o porquê de sua escolha por protagonistas femininas? Foi um acaso ou justamente queria inovar? Na sua opinião, faria alguma diferença se o Thomas tivesse virado guardião?

A escolha se deu pura e simplesmente por eu ter baseado a Galatea em uma personagem criada por minha esposa. Mas hoje, eu não mudaria isto. Inclusive, quando terminar esta saga, escreverei um romance com mais uma heroína como protagonista. O legal é que ela é muito diferente das duas atuais.

De qualquer modo, não acho que esteja inovando. Apenas reflito um pouco de como nossa sociedade está. Cada vez mais vemos as mulheres invertendo os papéis conosco e batalhando profissionalmente de igual para igual. Em Grinmelken temos lugares onde as mulheres são menosprezadas. No meu segundo livro eu mostro bem isto. Mas em Galagah e boa parte dos reinos do Norte, as gerações não se lembram de atos que diminuíssem as mulheres de algum modo. Eles estão acima disto.

Quanto ao amor, os acontecimentos do primeiro livro realmente não deixa espaço para isto. Iallanara se abalou um pouquinho com o homem alado que a salvou no final do livro e Galatea, que sempre foi cercada de olhares afetuosos e cortejos ainda está com muita adrenalina deste “começo de carreira”. Mas no segundo livro, as coisas já mudam um pouco para a Campeã Dourada.

Quanto à última pergunta, sim, se Thomas pudesse passar no teste, faria muita diferença. Thomas é um rapaz bondoso, mas pouco religioso. Ele seria um excelente cavaleiro, mas não tem vocação para Campeão Sagrado. Esta deficiência dele foi o que fez de Galatea a devota fervorosa que ela é. Ser tão religiosa era sua maneira de chamar a atenção e com o tempo, isto se tornou seu norte. Se Thomas também fosse religioso, esta qualidade não teria sido tão desenvolvida nela. Item que é primordial para a história em vários níveis.

O processo de criação e a escrita são situações peculiares e não têm muita regra variando de autor para autor. O seu livro tem várias cenas de lutas e confrontos como ataque dos vampiros a família Goldshine ou os confrontos com  Merkanos. Como é para você escrever cenas de batalha? Exige algum preparo? É o mais complicado em um livro de fantasia?

O engraçado é que julgo as cenas de batalha as mais fáceis. Em geral saem de primeira e acabo mudando pouca coisa. Acredito que isto é fruto das aventuras de RPG que eu narrava, onde gostava de descrever o combate como se estivesse narrando um filme. A preparação é simples, sempre vejo o local e os personagens envolvidos, depois planejo basicamente como será o inicio do combate. Algo como Três entrarão pela porta da frente, três entraram pela porta de trás e os heróis estarão na mesa do canto.

Definido isto, eu boto no papel e vou escrevendo, agindo com os personagens conforme o combate desenrola.

Complicado mesmo é fazer o romance. Sinto muita dificuldade de me colocar no lugar da Galatea ao descrever as cenas amorosas dela, no livro 2 e aqui, no livro 3.

Colocar rótulos é uma mania social. Muitas pessoas rotulam histórias de fantasia como infanto-juvenil, mesmo as que têm cenas mais fortes e um caráter mais adulto. Que tipo de público os seus livros visam atender? Está correta esta definição nas livrarias do seu livro na sessão infanto-juvenil?

Na verdade, por uma escolha minha, junto da editora Idea, classificamos o livro como juvenil-adulto, pelo estilo da trama, este é o público que almejamos.

Nas livrarias, Filhos de Galagah é colocado em diversas categorias, pois não existe a seção “Fantasia”. A Sraiva/Siciliano nos coloca como Ficção Científica. A Cultura como Ficção Fantasiosa (A mais correta na minha opinião). Já o Submarino fica meio perdido e não coloca nada.

Você é uma pessoa completamente ligada aos meios digitais, tem blog, site, Orkut, twitter, etc. A internet é uma excelente maneira de promoção e tem ajuda constantemente ao crescimento da literatura fantástica. O que você acha que ainda falta no Brasil para que um dos nossos livros de ficção fiquem ao lado de Harry Potter e Crepúsculo na lista dos mais vendidos? Este dia chegará?

É possível. Sempre cito André Vianco, cujos livros estão lado a lado com Crepúsculo (apesar de não ter nada a ver), nas livrarias, aeroportos e supermercados. Aos que tentam atingir tal resultado no Brasil, é questão de qualidade, sorte e afinidade com o público. Além de suar muito a caminha para se divulgar, tarefa que precisa ser feita junto da editora e em cada livraria. O André conseguiu este resultado bem rápido.  Para os outros que perseverarem, a coisa pode vir mais lenta, mas pode vir. O importante é acreditar.

Para finalizar vamos a uma sessão de jogo rápido:

Um livro que adoraria ter escrito… A Históra Sem Fim.

O que um livro de ficção não pode faltar… Magia, misteriosa ou cientifica.

Uma cena de batalha cinematográfica marcante… A cavalgada dos Rorririn, nas Minas Tirith

Um personagem da ficção fantástica marcante… Rolland, de “A Torre Negra”

Um grande vilão… Imperador Papatine (Star Wars)

Uma grande batalha final… Maximus vs Imperador Commodus (Gladiator)

Uma grande luta… Aquiles vs Hector

Galatea em uma palavra …  Devoção

Iallanara em uma palavra … Inveja

Gawyn em uma palavra …. Otimismo

Sephirus em uma palavra… Lealdade

Sukamantus em uma palavra… Vingança

Enelock(Personagem) em uma palavra… Ódio

Thomas em uma palavra… Indeciso

Aloudos em uma palavra… Misterioso

Ethan em uma palavra… Solitário

Merkanos em uma palavra… Temido

Filhos de Galagah em uma palavra… Esperança (Apaguei o item 10, por repetir)

O Senhor das Sombras em uma palavra…  Mudança

Enelock(Livro) em uma palavra… Verdade

O que podemos ou devemos esperar do “Senhor das Sombras” e do “Enelock”?

Vocês podem esperar um clima bem mais Dark que o de Filhos de Galagah.

Gosto de fazer a seguinte comparação:

Em Filhos de Galagah, a Luz é ofuscante, tudo parece certo e pensasse que as ações em prol do bem serão sempre recompensadas. Ele é o início da jornada, onde o herói ainda está caindo na real do mundo que o cerca.

Em O Senhor das Sombras, a Escuridão é mais forte. A verdade é distorcida e as coisas saem um pouco dos trilhos, mesmo que os personagens não percebam de imediato. Este livro mostra o inicio da transformação dos personagens. A transformação mais visível é a de Galatea, que era a “santa” e começa a mostrar sinais da influencia de Iallanara.

Em Enelock, temos o resultado dos últimos dois livros. Temos as reações das ações anteriores e o desfecho de tudo. Este é o livro em que mais vou surpreender meus leitores, tenho certeza disto.

2
  Artigos Relacionados

Comments

  1. Cão de Guerra  setembro 14, 2010

    Excelente entrevista, e sinceramente “Senhor das Sombras” foi o melhor livro de fantasia que li este ano todo, e acreditem eu leio MUITOS livros. Ao autor eu só posso parabenizar, seu estilo e obra melhoraram muito desde o primeiro livro, que já era bom, e você alcançou um novo e bom patamar.
    Espero ansiosamente por Enelock e espero que seja distribuído ainda no começo do ano que vem, obviamente se isso for possível, pois mal posso esperar para ver como a coisa termina. Sou decidiamente fã do Gawayn, o sujeito encarna perfeitamente um “swashbuckler”.

    reply
    • licinio  novembro 18, 2010

      inicio do ano q vem?

      avisemos ao Leandro para colocar mais lenha na maquina a vapor!

      fico feliz q apreciem a saga do autor Leandro,
      Estamos trabalhando no livro 3 e no booktrailler 3

      creio q o segredo desta aventura é o carinho devotado q temos por ela.

      Espero q curtam mais este resultado!: Enelock!

      reply

Add a Comment