Lex Arcana – Uma História diferente para Roma

Posted by:

Lex Arcana é um interessante RPG italiano, publicado em 1993 pela editora Dal Negro, escrito e desenvolvido por Leo Colovini, Dario Toffoli, Marco Maggi e Nepitello Francesco.

Apesar da idéia bastante original, teve uma vida curta. Com somente dois complementos publicados, Cartago e Germânia, foi descontinuado poucos anos após o seu lançamento.

A ambientação se passa no século quinto, em um mundo onde o Império Romano nunca foi dividido, não apresenta sinais de enfraquecimento e graças ao amadurecimento e as artes mágicas está remodelando totalmente o poder político.

Uma história diferente para Roma

Lex Arcana

Módulo Básico – Lex Arcana

Esqueça tudo o que você aprendeu nos livros de história, em Lex Arcana toda a história de Roma é revista desde a sua fundação: Romulo, o primeiro Rei-Augúrio, estabeleceu a Pax Deorum: um pacto com os deuses que trouxe benefício a todos os governantes de Roma. Romulo também fundou o Collegio degli Auguri, um conselho de sábios conhecedores das artes mágicas divinatórias.

Como resultado da fundação do Collegio, Roma cresceu como um reino, como uma República e finalmente, como um Império. Ao longo deste caminho aumentou em dez vezes seu território, poder econômico, político e militar. Em paralelo o conselho dos sábios também estudou longa e cuidadosamente a obtenção e o desempenho do conhecimento mágico.

Otaviano Augusto, Imperador, e em seguida Pontifex Maximus, compilou este conhecimento no Codex Augusteus, o primeiro códice real de magia divinatória do império.

Um século e meio depois, no reinado do Grande Adriano (288 ec), com base em predições particularmente ruins dos Oráculos ocorre uma virada decisiva para a política do império. A política expansionista e o estudo dos augúrios são congelados e defesas maciças são construídas sobre os limites das terras controladas por Roma (incluindo o muro de Adriano).

Neste mesmo período é escrito o Codex Hadrianeus, um extenso compêndio sobre magia imperial com a conclusão da investigação sobre o mosaico de conhecimentos em que seus antecessores tinham trabalhado por mais de um milênio.

Os séculos seguintes foram de relativa paz e alterações mínimas no desenho das fronteiras do Império Romano. Este período foi caracterizado por ganhos sociais, obtidos a partir de uma revisão do conceito de escravatura e de um sólido e próspero desenvolvimento econômico, auxiliados em grande parte pela segurança das estradas e vias marítimas do império.

A classe dominante, Cives Romani, adotou um culto religioso e mágico oficial, modelado nas crenças romanas e baseado na graça dos deuses. Mas na multidão de etnias e culturas que o Império cobre e protege, a maioria das religiões como o Judaísmo, o Cristianismo, Mitraísmo, Zoroastrismo e uma série de outros cultos menores, foram reconhecidas e aceitas.

Uma vez que os decretos de Milão e de Salónica nunca foram prenunciados, a contagem dos anos continuou a ser feita a partir da data da fundação de Roma (ab Urbe condita), ou seja, o nosso 753 antes de Cristo.

O Imperador Teodomiro e a Lex Arcana

harpia

Harpia

Depois de quase três séculos de paz, em 1229 AUC (476 DC – o ano real da queda do Império Romano do ocidente) as condições de estabilidade interna sofreram uma mudança e as predições começaram progressivamente a se tornar mais sinistros.

Em um momento em que nem mesmo os augúrios podem dar uma explicação ou conforto, o Imperador Teodomiro fala pela primeira vez ao Senado sobre um plano sombrio que ameaça a existência do Império e que se manifesta através de acontecimentos assombrosos e com o despertar de criaturas lendárias ao longo ou além das fronteiras.

Com isso, uma serie de medidas foram tomadas: a conclusão do Canal de Corinto, a completa reestruturação do enorme porto de Teredon (moderno Bassorá no Golfo Pérsico) e a promulgação da Lex  Arcana, que sancionou a volta do estudo dos Augúrios e da corte Pretoriana (evolução e expansão da Guarda Pretoriana como um exército de elite) com a tarefa de proteger os novos estudantes de magia.

Nesse sentido, decidiu-se impor a Cohors Auxiliaria Arcana, um organismo independente especializado em investigar, detectar e, eventualmente, destruir todas as formas de atividade mágicas não permitidas ou potencialmente perigosas para a independência e integridade do Império.

Os legionários da CAA agem em pequenos grupos. Cada membro é formado em uma área específica de ação e dedicado a uma divindade tutelar a quem deve prestar reverencia:

Magia: Apolo

Exploração: Diana

Diplomacia: Mercúrio

Militar: Marte

Ciência: Minerva

O Sistema:

Em Lex Arcana os jogadores são divididos em cinco classes.

Legionário

Legionário

Augur (Augure) – Especializados no uso de artes mágicas, são capazes de fornecer ao grupo informações valiosas acerca de eventos ocorridos no passado, presente ou futuro, graças à arte da adivinhação. São também responsáveis por interpretar a vontade e os favores dos deuses através de aparições e do sacrifício de animais.

Diplomatas (Diplomático) – Personalidade terrena equivalente ao Augur, o diplomata é alguém que sabe como mover-se na brutal Roma Antiga à procura de informações, contatos e armas. É sua responsabilidade também o uso de palavras para congraçar os personagens reunidos em uma missão ou justificar as ações do grupo perante aos superiores.

Explorador (Esploratore) – Caçador habilidoso e especialista em camuflagem. O Explorador se mimetiza com perfeição a vegetação, e normalmente se apresenta sujo com o sangue de suas presas ou com manchas de ervas medicinais e frutos silvestres.

Guerreiro (Guerriero) – O guerreiro vem das regiões limítrofes do império, nas suas fronteiras mais turbulentas. Possui experiência na utilização de armas, estratégia militar, táticas de combate e detecção de armadilhas.

Sábio (Sapiente) – o Sábio tem um pouco de médico, de engenheiro e de filósofo. O sábio nunca parece saciar a sua sede de conhecimento e é um especialista em geologia, medicina e metalurgia, o sábio é habilidoso em preparar ungüentos, venenos ou armadilhas.

As características físicas dos personagens são chamadas de virtutes (virtudes) e determinadas com base na sua província de nascimento. São escolhidas em acordo com o Demiurgo (o nome do mestre em Lex Arcana) e determinadas aleatoriamente com o lançamento de dados.

O jogador então calcula e distribui os pontos de peritiæ (perícias), que são empregados na construção da história do personagem, e sobre a qual existe uma ampla liberdade de escolha.

Virtutes

Vigor – Constituição física.

Germania

Germania

Coordinatio – Agilidade e capacidade de realizar múltiplas ações simultâneas.

Ingenium – Criatividade e capacidade dedutiva.

Auctoritas – Capacidade de convencimento com palavras.

Ratio – Capacidade de raciocínio, e resistência às ilusões mágicas.

Sensibilitas – percepção visual, auditiva, tátil.

Peritiæ De Bello – Manipular armas e usá-las efetivamente em combate.

De Corpore – Resistência física para correr, saltar, esquivar-se.

De Natura – Habilidade para caçar de pequenos animais, esconder-se na vegetação, reconhecer plantas, e se orientar na mata.

De Magia – Interpretar a vontade dos deuses, para conhecer o passado, o presente e o futuro, através da adivinhação.

De Scientia – Reconhecer minerais e substâncias, construir armadilhas, arrombar, curar feridas, consertar armas, armaduras e mecanismos.

De Societate – Compreensão de idiomas, misturar-se a multidão, rede de contatos.

Conclusão:

Cartago

Cartago

Desde a conclusão da triologia Senhor dos Anéis em 1949, as mitologias de origem germânica e anglo-saxã, com seus elfos, anões e orcs passaram a ser a referência padrão em obras de fantasia medieval e posteriormente vieram a influenciar de forma direta o surgimento do RPG (como pode ser visto neste artigo).

Sou um profundo admirador de Tolkien e seu universo, mas obras que fogem a esta temática sempre despertam a minha atenção. Assim como em Legend of the Five Rings, que se inspira nos mitos orientais para construir seu mundo, Lex Arcana também quebra o paradigma Tolkieniano e bebe de outras fontes para criar sua ambientação, usando como referência o rico universo mitológico greco-romano.

Porém, ao contrário do êxito alcançado pelo L5R, Lex Arcana não obteve sucesso no mercado nacional (italiano, é claro) e logo foi extinto. Como não conheço nenhum RPGista jogador de Lex Arcana por aquelas terras para perguntar quais foram os motivos do insucesso, posso apenas supor que talvez ele tenha sofrido a síndrome de “Desafio dos Bandeirantes”: Muitos acham legal, poucos jogam e quase ninguém compra… Aí, por mais criativo e original que seja, não tem RPG que sobreviva.

0
  Artigos Relacionados

Add a Comment